Pular para o conteúdo principal
  "MAIS UMA NOITE SÓ, PENSAVA. NADA DE NOVO PODERIA ACONTECER, NÃO COM ELE. A SORTE JÁ-LHE ERA INIMIGA Á TEMPOS.
  MAS ALGUMAS NOITES PROMETEM...E CUMPREM. SEM MUITAS PRETENSÕES FORA NAQUELE BAR NAQUELA NOITE. NAQUELE MOMENTO NADA MAIS IMPORTAVA DESDE QUE...
  SEMPRE IMAGINARA QUE SEU MUNDO PODERIA MUDAR UM DIA, QUE SEU MARASMO, SUA INANIÇÃO TERIA MESMO QUE PASSAR UMA HORA. MAS NO FUNDO ELE SABIA QUE ERA DIFÍCIL DE ALGO NOVO ACONTECER.
  FORA PERDENDO ESPAÇO PRA SEU DESANIMO. FORA DE FATO AFUNDANDO EM SI MESMO.
  QUEM O CERCAVA JÁ O JULGAVA MAIS UM ENTREGUE Á LOUCURA DO MUNDO, DESCONHECIAM QUE ESSE SEMPRE FORA SEU DOCE SONHO...SER LOUCO!!!
  MAS SEMPRE A NORMALIDADE VISITAVA-O, E VIA QUE PRA SER "LOUCO" AINDA FALTAVA SEU MOMENTO CHEGAR.
  "SÓ OS LOUCOS AMAM" PENSAVA. "SÓ OS LOUCOS PODEM VIVER DE VERDADE NESSE MUNDO.
   MAS ALI TUDO MUDARIA. SE ENCONTRARIA DE VERDADE CONSIGO MESMO. A PARTIR DALI SERIA REALMENTE FELIZ.
   FORA EM UM BAR SUJO E IMUNDO QUE SE ACHARA...PODERIA SER EM QUALQUER LUGAR...MAS FORA ALI NO MEIO DA IMUNDICE, TALVEZ POR TER TUDO A VER COM SEU MUNDO DE OUTRORA.
   ASSIM COMO AS PESSOAS ENCONTRAM-SE COM SEU DEUS DEPOIS DE ANOS DE PROCURA. ESSE SER ENCONTRARA-SE COM SUA DOCE LOUCURA DESEJADA.
   AGORA FELIZ VIVE POR AÍ, DESFILANDO SEU NOVO EU...COM SOMBRAS Á ACOMPANHAR-LHE POR ONDE PASSA.
   SORRINDO E SORRINDO VIVE AGORA.


                                                 RODRIGO BERNARDO.
 

 

Postagens mais visitadas deste blog

DE VEZ EM QUANDO VENHO AQUI, VISITAR MEU TÚMULO DE PALAVRAS. JÁ NÃO ESCREVO MAIS COMO OUTRORA. INFELIZMENTE CRESCI. O TEMPO É CRUEL, PESSOAS GRANDES PRECISAM TRABALHAR, PRECISAM PASSAR HORAS E HORAS LUTANDO POR UM SUSTENTO. JÁ NÃO SOU MAIS UM MENINO, ELES DIZEM. QUEM É QUE OLHA PRA TRÁS E SE RECONHECE? JÁ NÃO MAIS ME RECONHEÇO. RECONHEÇO QUE ALGO MUDARA EM MIM. HOJE SÓ VIM AQUI PRA VISITAR MEU DOCE TÙMULO DE PALAVRAS PERDIDAS. VENHO AQUI PRA TENTAR ME RECONHECER. NÃO TENHO INTENÇÃO DE ME DEIXAR PERDER. 
Chega na casa naquele dia...Vê deitado inerte na sala o corpo...Morto, ele pensa. Sai correndo, gritando... os vizinhos chegam assustados. "o que aconteceu, perguntam". Morto, morreu, ele responde. Planejam um belo funeral, afinal ele era muito querido. De repente o bando aparece, muitas palavras de consolo. Muita gente dizendo que o homem era... um grande homem. Ironia do destino, pois em vida diziam que era um canalha, batia na mulher e no coitado. Coitado, teve de ver seu grande homem ali naquela noite. A morte é estranha, os ruins viram heróis, pensa ele. A morte é má, pensa consigo, e ri de si mesmo. Sai caminhando pelas ruas podres da cidade, encontra um bar sujo, de paredes imundas. Pede uma cerveja. Amigos ligam perguntando se demora pra voltar pra dar andamento no funeral, diz que volta logo. Fica lembrando dos tempos do porão, se entristece lembrando do quanto sofria nas mãos daquele monstro. Lembra - se do dia que foi obrigado a beijar seus pés sujos e…
NO MUNDO HOSTIL DE HOJE, NAS RUAS, LARGADO ESTOU...SOZINHO AQUI. SOFRENDO POR MIM. ESCRAVO DE MIM. DEPENDENTE DE TI. UM PEDAÇO DE TI AQUI FICOU. TENHO UM POUCO DE VOCÊ AQUI. ESCRAVO DE TI EU SOU, EU SOU ESCRAVO DE TI. NAS RUAS LARGADO ESTOU. NAS RUAS SÓ ESTOU.